Pensando en voz alta

Estamos vivendo momentos muito importantes na história da humanidade. Muita coisa está mudando e muitas outras estão sendo reavaliadas. Em meio a tudo isso, estamos questionando e revisando o papel da mulher dentro da estrutura social e cultural que hoje vivemos. Esse é um movimento mundial e, como tal, me leva a olhar pro céu em busca de símbolos que o representem astrologicamente. Encontro dois que me parecem fundamentais: o momento de transição no qual nos encontramos (da Era de Peixes para a E...

Estamos atravessando um momento de importantes mudanças sociais e culturais. Neste momento, parece predominar a luta pelo empoderamento feminino e pelo fim do patriarcado. Mas, embora estes sejam assuntos relevantes socialmente, eles são apenas um aspecto das mudanças que estamos atravessando. Também estamos discutindo identidade de gênero, novas possibilidades para a orientação sexual de cada um, e estamos reavaliando todas as demais definições que nos serviram como referências sociais e culturai...

As coisas vinham bem, até que algo muda ou exige mudança: a nossa relação conforme a conhecemos já não dá para continuar. Em alguns casos, sentimos a necessidade de aprofundar vínculos: precisamos avançar para o próximo estágio, casar, morar juntos. Em outros, as incompatibilidades são muitas para permitir que o casal siga juntos, e aí entra em jogo a possibilidade da separação. O que fazer? Será que é possível nos orientarmos através da Astrologia? Certamente.

Inconsciente, escuro, poderoso: Plutão age sobre nós sem que tenhamos consciência. Como o inconsciente do Freud, que é tão óbvio que passa despercebido. Como o inconsciente de Freud, cheio de energia primitiva, pessoal, cheio de paixões e compulsões. Como o inconsciente de Freud, cheio de verdade sobre nós mesmos e, por isso mesmo, tão poderoso. Plutão é fantástico porque seu poder remete a outra coisa, outro nível de consciência.

A Astrologia, assim como muitas outras áreas da vida, tem suas definições maniqueístas. Saturno é o grande maléfico, Marte é o pequeno maléfico, enquanto Júpiter é o grande benéfico, etc. Essas definições, de origem cultural e social, podem nos levar a leituras e compreensões equivocadas não só dos trânsitos como da simbologia de cada planeta. Júpiter é um caso que gostaria de explorar porque considero interessante.

Dentro da complexa combinação de fatores que é o nosso mapa natal, existem três pontos que falam muito da gente: o Sol, a Lua e o Ascendente. O Sol representa aquilo que somos quando pensamos antes de ser, a Lua representa aquilo que somos antes de podermos pensar sobre o que somos e o Ascendente funciona como a nossa máscara social. No entanto, para relacionamentos prevalece a combinação Sol-Lua. Veja como a sua combinação pode influenciar e como evitar problemas.

Quem nunca ouviu que trânsitos de Júpiter são bons mesmo quando são ruins e trânsitos de Saturno são ruins mesmo quando são bons? Isso é uma falácia que vem da astrologia tradicional e clássica, que classificava os planetas como benéficos ou maléficos.

A ideia de que somos incompletos é uma falácia, porque as características representadas pelo signo na cúspide da casa 7 do nosso mapa natal estão no nosso mapa e, portanto, pertencem a gente. Nós nascemos completos, mas projetamos nos outros as nossas características com as quais não estamos familiarizados ou com as quais não nos sentimos confortáveis, sem sequer nos darmos conta disso.

Embora seja um aspecto difícil de lidar, especialmente quando alguém próximo a gente o carrega, a Lua-Saturno também tem seus truques. Leia mais aqui!

Se você conhece a astrologia de longa data, você certamente já se viu dizendo algo do estilo “comecei a sair com um geminiano porque queria alguém que levasse a vida de maneira leve e, no entanto, para o meu namorado tudo é de uma intensidade emocional que eu jamais esperei encontrar!“

Please reload